Dimav cria minicérebros in vitro para desenvolvimento de nanofármacos

Pesquisadores da Diretoria de Metrologia Aplicada às Ciências da Vida (Dimav), em parceria com a Johns Hopkins University, produziram minicérebros de origem humana para estudar a interação e absorção de nanopartículas transportadoras de fármacos para o Sistema Nervoso Central.

O modelo permite avaliar a toxicidade e a biocompatibilidade de nanocarreadores farmacológicos para o cérebro de maneira eficiente, gerando resultados mais confiáveis quando comparado aos tradicionais cultivos bidimensionais (2D), uma vez que reproduz as interações celulares nas três dimensões (3D) presentes no cérebro humano. Além disso, o desenvolvimento do modelo poderá levar, no futuro, à menor utilização de animais em testes toxicológicos, alinhado às recentes resoluções do Conselho Nacional de Experimentação Animal (Concea).

O estudo demonstrou, ainda, partículas biocompatíveis mais seguras para serem utilizadas no transporte de fármacos para o cérebro humano, abrindo caminho para o desenvolvimento de novos carreadores farmacológicos em parceria com a indústria nacional. “O estudo evidencia a importância da pesquisa e desenvolvimento realizada no Inmetro para a geração de cultivos celulares 3D com tamanho controlado, importantes para a reprodutibilidade dos eventos celulares e para garantir a confiabilidade dos dados gerados”, explicou Paulo Leite, pesquisador bolsista da Dimav e coordenador da pesquisa.

O trabalho foi publicado no periódico internacional Particle and Fibre Toxicology, que faz parte da conceituada Springer Nature. Para ler na íntegra, acesse: https://bit.ly/2Z9ZVwH